MMSocial
A+ A A-

Simon Blue

Simon BlueSimon Blue

Sete anos de aulas de piano e formação musical ainda criança ditaram, ao ritmo de alguma ingenuidade, o início de um percurso musical que viria, definitivamente, a marcar uma vida ancorada na música e no espetáculo.
Depois de duas bandas no espaço de 4 anos e pouco, o ano de 1993 assinalou a estreia de Simon Blue em televisão, no programa Momentos de Glória da TVI, com Manuel Luís Goucha. Em 1995, resolve mudar-se para Lisboa, decidido a construir uma carreira musical e nesse mesmo ano, é escolhido para o concurso Seleção Nacional da RTP, Festival da Canção, Gala da Bola, o programa Parabéns de Herman José, entre outros. No mesmo ano regressa a Portimão e retoma os “ArteKazeira”, desta vez reorganizada e com novos elementos, onde permanece por cinco anos.

Em 1996 com o impulso de um grande amigo, Mike Nolan, a banda transforma-se e surgem os “Avalon”, banda com a qual Simon Blue tem a oportunidade de mostrar o seu talento além-fronteiras, tempo em que destaca a passagem na Irlanda em Cork e Dublin. Em pouco tempo os convites para espetáculos começaram a surgir em grande número e rapidamente os concertos se estenderam a diferentes pontos daquele país. Ainda nesse ano, com os Avalon, viaja até à Alemanha, onde faz a abertura de um concerto de Gloria Gaynor, na Ópera de Frankfurt.

Simon BlueEm 1999 surgiu o convite de um dos maiores comediantes irlandeses da atualidade.

Brendan o'Carrol, para que Simon Blue e a sua banda integrassem o elenco de uma das suas melhores comédias, Mrs Brown, onde pela primeira vez experimenta o teatro musical e até 2003, ano em que os Avalon chegam ao fim do seu percurso, não houve um ano sem uma tour na Irlanda com este grupo.

Começa então a sua carreira a solo, com espetáculos vários na Irlanda e na Alemanha.

Em 2007 inicia um novo projeto a solo com o produtor/músico Tuniko Goulart. Da fusão de duas influências musicais tão distintas resulta a combinação perfeita, mas a agenda sobrecarregada e a exigência colocada em cada detalhe por ambos, vai sucessivamente adiando o fim da produção deste CD.

Concluído “Times Of Trouble”, Junho de 2013, é a data escolhida para o lançamento deste CD de originais.

Criatividade, harmonia e inspiração, são a tónica deste espectáculo de Simon Blue.

Aqui a atualidade, apresenta-se numa voz madura, letras positivas mas conscientes da realidade do mundo e melodias de uma harmonia contagiante.

“Times of Trouble” é um trabalho intenso, a que ninguém consegue ficar indiferente. Transporta-nos no “portal do tempo” numa viagem entre o passado, o presente e o futuro plena de harmonia entre o amor e a esperança “do sentir”.

Atravessa gerações, pois mexe com memórias que a todos abraçam, entre velhos temas com novos arranjos, e novos sons que nos envolvem e nos fazem vibrar.

“In diferente ways” o amor é tratado com a beleza simples que tolda as emoções de todos aqueles que se recusam a deixar de acreditar.

Simon Blue é dono de uma voz segura e forte, com os “rasgos” que só grandes vozes sabem dar e é acompanhada, por extraordinários músicos como Tuniko e Giovani Goulart, a cujos solos e ritmos ninguém consegue ficar indiferente, sempre acompanhados com o groove do baixista Paulo Luz. As harmonias contagiantes do piano de Tiago Sequeira, envolvem todo o talento em palco e patente neste trabalho, que a cada dia que passa tem mais fãs.

Ligações Up Music TalentsPaula Cordeiro

 Simon Blue - Times Of Trouble

 www.facebook.com/simonblue

Management:

Andreia Sant`Ana

Loading

LoadingLOADING - "Hiding Place of Dreams” - ELECTRONIC AMBIENT MUSIC

Os temas de LOADING apresentam uma sonoridade com diversas texturas sonoras, feitas através da utilização de sintetizadores que datam desde os anos 70, até aos modernos equipamentos utilizados na música elétrónica atual.

A mensagem inscreve-se sempre numa perspetiva onírica, muito apoiada nas reflexões de Aldous Huxley em As Portas da Percepção, de forma a levar o ouvinte a um processo de “alienação saudável”. Assiste-se ainda a um cruzamento da eletrónica com outros instrumentos musicais, como o caso do piano acústico e a integração da palavra através de metódicos exercícios de spoken word, como em I Like to See the World in Slow Motion onde um texto de José Luís Peixoto é dito por Cuca Roseta.

Miguel Neves“Um ponto essencial para que o Homem acontecesse foi a aquisição do pensamento simbólico. Os símbolos são usados para a comunicação entre as pessoas. Tal comunicação é, no Homem, a grande finalidade e denuncia o quão longe estamos do nosso próprio conhecimento. Comunicamos para além da necessidade material e a essa proposta chamamos arte. É que palavra não é suficiente, a imagem ajuda, o toque ajuda, o cheiro ajuda, mas a música preenche-nos e muitas vezes ultrapassa-nos na sua intencionalidade. A proposta de LOADING (Miguel Neves) leva cada um de nós a irmos para além de nós mesmos e a atingir uma alienação saudável. Ao ouvi-la, cada um de nós apenas consciente (liberto da consciência de si) pode regressar às sensações primeiras, quando as recebíamos apenas.

A. C.

PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS

CUCA ROSETA
Spoken Words no tema “I Like to See the World in Slow Motion” (artista gentilmente cedida por Universal Music Portugal, S.A)

JOSÉ LUÍS PEIXOTO
Lyrics do tema “I Like to See the World in Slow Motion”

FERNANDA FREITAS
Spoken Words (Alice) no tema “Waiting for Alice”

Ligações
Cordeiro - Acessoria e Comunicação  Up Music Talents

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

URL: Critica de João Lopes no Blogue Sound + Vision

www.facebook.com/loadingambientproject

Loading - HIDING PLACE OF DREAMS


Loading - Hiding Place of Dreams

 

Eduardo Coelho

Músico autodidata, inicia o seu percurso musical público em 1987, no Orfeão Universitário do Porto (OUP), integrando as tocatas dos diferentes grupos etnográficos, o que lhe permite entrar em contacto com uma panóplia de cordofones regionais - cavaquinho, viola braguesa, rajão, viola de arame.

Ainda no OUP, entra em contacto com a guitarra portuguesa e os instrumentos da família do bandolim. Torna-se 1.º guitarra do Grupo de Fado Académico do OUP e responsável artístico da Tuna Universitária do Porto, que, sob a sua regência, grava o LP "Acordes, Harpejos, Tainadas e... Beijos!" e que se tornou a primeira tuna portuguesa a ganhar um festival de tunas na vizinha Espanha - o "Múrcia, Costa Cálida", em 1993.

Em 1994 integra o projeto "Vai de Roda". Participa na gravação e nos arranjos do trabalho "Polas Ondas", distinguido em 1997 com o prémio José Afonso para o melhor álbum de música tradicional.

Atualmente, participa regularmente nos espetáculos da Associação dos Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto, sendo um dos diretores musicais da Tuna Veterana do Porto.

Em 2010 edita, em co-autoria, "Qvid Tvnæ? A Tuna Estudantil em Portugal", a primeira obra publicada em Portugal inteiramente dedicada ao fenómeno das tunas estudantis, de meados do século XIX até 1995. O estudo aborda ainda a génese das tunas no país vizinho e no mundo ibero-americano e o fenómeno mais lato das orquestras de plectro.

Integra a organização do FIGA - Festival Interatlântico da Gaita-de-foles.

Paulo Peixoto

Paulo Peixoto

A música surgiu cedo na vida de Paulo Peixoto, muito por influência familiar. Com um avô, tios, pais e um irmão apaixonados pela música, Paulo Peixoto depressa percebeu qual era o seu grande amor.

Em 1982 formou o grupo Anima, juntamente com Firmino Neiva, Manuel Beleza, Zé Menezes e Casimiro Talaia, para tocar standards e originais, na área do Jazz e da Fusão.

Em 1986, a convite de Pedro Abrunhosa, foi percussionista da Orquestra de Jazz do Porto, que foi o embrião dos futuros projetos do conhecido cantor português. Nesta época, estudou e tocou com Rui Júnior, na Escola de Jazz do Porto e integrou diversas formações, com Edgar Caramelo, Mário Laginha e outros.

Em 1996, juntamente com Manuel Beleza e Manuel Marques, formou o trio Sonoridades e participou no Festival de Jazz de Matosinhos e nas Jam Sessions do Festival de Jazz de Guimarães ao lado de músicos como Carles Benavent, Chano Dominguez, Jorge Pardo, Martin France, Nguyên Lé e outros.

Do seu percurso fazem parte ainda a participação no grupo Som Ibérico que se focalizava em novas abordagens da música Portuguesa, com uma vertente de música improvisada, no projeto Dança dos Homens, composto por músicos de várias áreas musicais, que exploram sonoridades que vão do Rock, à música Celta e a influências do Jazz e o grupo Origem Tradicional, com Daniel Pereira " Cristo ", Casimiro Pereira e outros amigos, com uma forte aposta na música das nossas raízes.

Para além deste trabalho, tem colaborado em vários projetos, como o trio de João Galante, André Sarbib e gravações em diversos contextos.

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos