MMSocial
A+ A A-

Arrefole

Os Arrefole – Folk progressivo português, são um grupo português que procura interpretar a música representativa do povo, vendo-a como fundamental para a compreensão da realidade do nosso tempo.

“Oriundos de um meio urbano, tentam recriar uma experiência sonora que tenha a ruralidade como pano de fundo.(...) Encravados no eterno conflito entre tradição e modernidade, entre um tempo que insistem ainda não ter passado, e outro, que estão seguros que já chegou, tocam o que a sensibilidade e a circunstância de um povo lhes transmite...” 

Embora o nome e a banda Arrefole exista desde 2000, em jeito de laboratório de experiências sonoras no universo da música tradicional, o projecto Folk, surge e desabrocha verdadeiramente em 2006 com o lançamento do primeiro trabalho discográfico – o álbum “Veículo Climatizado”, editado em CD, resulta com um vincado carácter concetual, embora nascido do manancial de temas tradicionais tocados ao vivo em concertos por todo o País (Portugal Continental e Ilhas), nas vizinhas Galiza e Castela (Espanha) e na Alemanha, onde cativam o público com a sua energia e a alegria das suas músicas. Traduz-se num ponto de viragem, em que se pretende transformar um conjunto de boas ideias num projeto sério e duradouro.

Álbum

Este álbum “Veículo Climatizado”, foi distinguido como o Melhor Álbum Revelação de 2006 segundo o programa “Sopa de Pedra” da Rádio Universitária do Algarve.

Renascidos em 2009, respondendo a um público fiel que segue o seu trabalho com curiosidade e entusiasmo, encontram-se presentemente em pré-produção do 2º trabalho, que desejam mais maduro e prometem mais arrojado ainda.

Formação
 

Daniel Pereira

(Cavaquinho, Bandolim, Braguesa, Guitarra)

Gonçalo Cruz

(Gaitas de Fole europeias, whistles e flautas)

João Conceição

(Percussões)

Nuno Flores

(Guitarra e Bouzouki)

Raquel Ferreira

(Voz)

Ligações

Arrefole  – Viva quem toca o pandeiro

Arrefole  – Marinheiro

Arrefole  – Metromeno

Macadame

Macadame

Haverá sempre um quando e um onde para começar um novo grupo: uma cidade, como Coimbra, um ano qualquer, como 2010 ou 2011, ou um encontro entre cinco pessoas e uma ambição comum. 
Os Macadame começaram onde começa uma mesa comprida de madeira, em horas e horas passadas a ouvir outra gente cantar, tocar, ouvir e contar a música que depois fizeram sua. Então, quatro rapazes e uma rapariga, de formações tão diferentes, acabaram por se encontrar no gosto pela música tradicional. Um gosto que cresceu até se transformar numa espécie de paixão inquebrantável, daquelas que revolvem os sentidos e fazem ver as coisas de que gostamos como ninguém as vê.

Talvez por isso mesmo pareça que os Macadame não procuram reinventar a música tradicional, prestar-lhe uma homenagem criativa, enérgica ou reverente. Parece, antes, que ao ouvi-los conseguimos ouvir a mesma música que nos é familiar, mas contada por quem adquiriu aquele jeito enlevado de a ouvir e mostrar: sem pó nem maquilhagem, sem rugas nem artifícios, sem mais do que o filtro fino da experiência de quem a ouve como a ouve, e assim mesmo a pretende partilhar.

Quando se estrearam em Coimbra, em 2011, os Macadame deram a conhecer a sua particular abordagem à música popular portuguesa: uma abordagem marcada pelo convívio animado entre a eletrónica e os temas populares, entre os instrumentos elétricos e os tradicionais, e em que diversas influências confluem para a criação de um universo muito próprio e envolvente.

Estreia

Quando se estrearam em Coimbra, em 2011, os Macadame deram a conhecer a sua particular abordagem à música popular portuguesa: uma abordagem marcada pelo convívio animado entre a eletrónica e os temas populares, entre os instrumentos elétricos e os tradicionais, e em que diversas influências confluem para a criação de um universo muito próprio e envolvente.

Foi nesse universo que surgiu Pão Quente e Bacalhau Cru, o álbum de estreia da banda que ao longo dos últimos anos realizou diversos concertos e marcou presença em Guimarães – Capital Europeia da Cultura (2012).

 

Ligações

Macadame

Com - Tradição

Com-Tradição é um grupo de Fado e de canção original portuguesa, residente em Bruxelas. Tendo iniciado a sua atividade no ano de 2011, o grupo atua mensalmente na Casa de Fado « Chez Luis ». O facto de estar situado no eixo do centro da Europa, permite ao grupo desenvolver um trabalho de divulgação desta vertente da Cultura Portuguesa pela Bélgica, Holanda, Alemanha e França.

Com-Tradição esteve em residência artística na Região de Ardèche - Sul de França em Agosto de 2012.

Em 2011 e 2012 atuou na animação de Noites de Fado, entre outros, em Bruxelas, Gent, Hasselt e Bruges.

Em Novembro de 2013 gravou 4 vídeos no centro cultural “Zinema” em Anderlecht-Bruxelas com a direção artística de Vincent Pierard.

Com-Tradição encontra-se a produzir um disco com composições e interpretações originais de fados tradicionais inspirados nas experiências profissionais dos músicos (jazz, clássica, world/folk,...) . O álbum estará concluído em Junho de 2014.

Para o lançamento do disco o grupo está a organizar uma “tournée” em Portugal durante o mês de Julho:

   - Cine teatro de Albergaria - 17 Julho

   - Claustros do mosteiro de Salzedas -  19 de Julho

   - Ribeira de Gaia - Festival Fado - Casa da Musica - 26 Julho

   - Beredo de Bemposta - Festas da vila - 1 de Agosto

Formação

Nicole Cangueiro - Voz

Rui Salgado - Voz e Viola

Sebastien Taminiau - Contrabaixo e Violino

Ligações

 Com-Tradição

 Com-Tradição - Pele de Leão

 Com-Tradição - Vela Acesa

 Com-Tradição - Dia a Dia: Estudio Bruxelas 2014

Banda Filarmónica de Amares

A Banda de Amares assumiu o 2º lugar no I Concurso de Bandas Filarmónicas do Distrito de Braga.

A Banda Filarmónica de Amares, cuja fundação remonta a 1853, é actualmente constituída por 60 elementos estando a direcção artística entregue ao maestro Ângelo Fernandes.

A secular instituição apresenta hoje uma jovialidade e uma ambição artística ímpar bem patente nas diversas iniciativas que promove, entres as quais se destacam os inúmeros concertos em diversas localidades do país. O reconhecimento por parte da Câmara Municipal de Amares do seu valor artístico e social através da atribuição da Medalha de Mérito Cultural veio prestigiar ainda mais o vasto currículo desta instituição.

A evidente evolução da banda nos últimos anos baseada na formação e qualificação dos seus elementos foi coroada internacionalmente em Outubro de 2006, no VII Concurso Internacional de Bandas de Música em Malgrat del Mar (Barcelona), onde arrecadou o 2º prémio em termos colectivos e o prémio para melhor instrumentista. Num certame no qual concorreram 19 bandas de vários países europeus, a Banda Filarmónica de Amares motivou rasgados elogios da crítica internacional pelo seu Virtuosismo, Musicalidade e Magistral Som.

Em Abril de 2007, deslocou-se a Roma – Itália para participar no conceituado concurso internacional “La Bacchetta d’Oro” vencendo brilhantemente todos os prémios para os quais concorreu: 1º lugar em 1ª categoria, melhor maestro (Vitor Hugo Matos), melhor interpretação da obra obrigatória do concurso e ainda o “Trofeo Unione Musicale Ciociara” a coroar a banda com a maior classificação em todas as categorias (95.07%), aliás a mais alta classificação alguma vez atribuída em dez anos de concurso sendo por isso caracterizada pela imprensa italiana como “la bravísima banda portoghese”.

Em Junho de 2007 foi dirigida pelo conceituado maestro americano William Malambri, professor da Universidade de Winthrop – U.S.A.

Por tudo isto, é hoje firme convicção e dever da instituição continuar a aposta numa política de sustentabilidade, formação e qualidade baseada em elevados padrões de exigência, conferindo à Banda Filarmónica de Amares um elevado nível de profissionalismo e excelência, assumindo-se hoje como uma referência incontornável no panorama filarmónico português.

 

Maestro

Maestro Angelo Fernandes Angelo Fernandes

Ângelo Alberto Pereira Fernandes nasceu a 27 de Agosto de 1985, em Guimarães.

Iniciou os seus estudos musicais na Sociedade Musical de Pevidém, sob a orientação do Sr. Domingos Fernandes, e mais tarde integra a Banda Musical de Pevidém sob a direção do professor Francisco Ribeiro.

Em 1997 ingressou na Escola Profissional e Artística do Vale do Ave (ARTAVE), na classe de trompete, sob a orientação do professor Paulo Silva. Nesse mesmo ano integra a Orquestra Artavinhos sob a direção do professor Jaroslav Mikus, Francisco Ribeiro, Alexandre Samardjiev e Paulo Silva.

Em 1999 participou no primeiro concurso de Castelo de Paiva, onde obteve o terceiro prémio.

Nesse mesmo ano integra a Orquestra de Sopros ARTAVE dirigida pelo professor Kevin Wauldron, e mais tarde pelo professor Paulo Silva, e a Orquestra Sinfónica ARTAVE dirigida pelo Maestro António Soares, e mais tarde pelo maestro Roberto Perez. Nessa mesma orquestra já trabalhou com os seguintes maestros: Ernest Shelle, Emílio de César, Christoph Millet, António Saiote e Cesário Costa.

Em 2001 integra a Banda dos Bombeiros Voluntários de Amares dirigida pelo professor Vítor Matos.

Em 2003 finaliza o Curso Instrumentista de Sopro com a classificação de dezassete valores a trompete.

Nesse mesmo ano ingressa na Escola Superior de Música das Artes e do Espetáculo (ESMAE), na classe de trompete, sob a orientação do professor Kevin Wauldron. Também integrando a Orquestra Sinfonieta, dirigida pelo maestro António

Saiote. Nessa mesma orquestra já trabalhou com o maestro Cesário Costa e o maestro Ian Couver

Já participou em estágios de orquestras tais como, Orquestra dos Templários, dirigida pelo maestro Octávio Aroucas, e Orquestra Sinfónica Minho – Galaica, dirigida pelo professor Lourenço Cruz.

Desde 1998 a 2006 que participa nos Jovens Músicos de Guimarães com solista, e por vezes com executante da Orquestra de Sopros da Academia de Música Valentim Moreira de Sá, dirigida pelo professor Vítor Matos.

Já participou em cursos de aperfeiçoamento musical com trompetistas muito conceituados mundialmente, tais como: Steve Mason, André Henry, Eric Aubier, Pierre

Dutot, Fernando Ray Garcia, Hakan Hardenberger, Luís Gonzales e John Aigi.

Em 2005 e convidado para representar Portugal na Alemanha (Estugarda), pelo grupo dos LYONS. Nesse mesmo ano também e convidado para executar como reforço na Orquestra Sinfónica de S. Carlos.

Em 2006 participa na conferência de trompetistas (International Trumpets Guild) realizada em Filadélfia (UEA) e no concurso realizado pela mesma, onde obteve o terceiro prémio.

Foi membro fundador da Orquestra de Câmara do Minho sob a direção do maestro Vítor Matos.

Em 2007 é convidado para executar como reforço na Orquestra Nacional do Porto e na Orquestra do Norte.

Em 2008 até Dezembro de 2009 foi primeiro trompete solista da Orquestra do Norte (Associação Norte Cultural), tocando a solo com a mesma.

Nesse mesmo ano finaliza a Licenciatura Bietápica na Escola Superior de Música das Artes do Espetáculo (ESMAE) com dezoito valores a trompete.

Leccionou aulas de trompete na Academia de Música de Paredes; 2008 a 2013.

Frequenta o segundo ano de mestrado (via ensino) no Instituto Piaget de Viseu.

Em 2013 participa como orientador do naipe de trompetes no estágio Encontro Nacional de Jovens Músicos, (ENJM).

Atualmente Lecciona aulas de trompete e classe de conjunto na Academia de Música Valentim Moreira de Sá, é primeiro trompete solista na nova Orquestra de Guimarães e é o diretor artístico da Banda Filarmónica de Amares onde tem desenvolvido um trabalho de solidificação e elevação do nível artístico da mesma.

 

Contactos:

Rua Sá de Miranda, Nº 24
4720 – 351 Amares
TM: 933922399 | 936805477
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Sítio na Web: www.bandadeamares.pt

 

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos