MMSocial
A+ A A-

Tuniko Goulart

Tuniko Goulart nasceu em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil em 1967. Oriundo de uma família de músicos, foi reconhecido pela Ordem dos Músicos Profissionais Brasileiros, com apenas 11 anos de idade, facto que por si mesmo é revelador do seu talento. Foram muitos os anos em que viajou pelo Brasil, Uruguay e Argentina, acompanhando grandes nomes do panorama internacional. Em Tours e em estúdio de gravação, são vários os músicos com quem se orgulha de ter colaborado e que não lhe poupam elogios, com frases como: “…exímio guitarrista…”, …extraordinário compositor…”, “…brilhante músico…”, são absolutamente comuns, quando se fala de Tuniko Goulart. A música para si, é o eterno caminho…e Gilberto Gil, Martinho da Vila, Airto Moreira, Arthur Maia, Flora Purim, Vicente Amigo, Standley Jordan, Jeff Berlin, Eric Sardinas, Cesária Évora, António Chainho, Giovani Goulart, Filipa Pais, André Sarbib, Isabel Campelo, Rui Veloso, Edu Miranda e muitos outros, com quem ao longo da sua vida colaborou ou continua a colaborar, não se cansam de confirmar o seu indiscutível talento! Reconhecido o seu talento por muitos dos maiores músicos portugueses, é elogiado de forma unanime também como ser humano, tal é a sua humildade e frontalidade.

“Não confundam um bom executante com um excelente músico, pois o músico tem emoção e o tecnicista é mais automatismo que alma.”

 

 

 

 

Ligações 

myspace.com/tunikogoulart

facebook.com/pages/Tuniko-Goulart-Grupo

facebook.com/tuniko.goulart

vimeo-01 

vimeo-02

Tuniko Goulart Overjoyed

Tuniko Goulart, v14 - Classic Jazz Bar

 

Jean-Pierre Silva

Jean Pierre

 

Diplomado pela Faculdade de Letras da UCP - Viseu e pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da UL, é professor de línguas e literaturas modernas.

Foi fundador e 1.º director musical do Real Tunel Académico – Tuna Universitária de Viseu (entre 1991 e 2001) e da Tuna da UCP de Viseu (entre 1992 e 1994), além de membro fundador da QuarenTuga (2016).

Fundou e dirigiu, igualmente, o Orfeão Académico daquela cidade, entre 1993 e 1995, com o qual participou na gravação do CD “Antologia dos Melhor Coros da Beira Alta”, em 1995. Regeu alguns coros, sendo fundador e  maestro do Chorus CSD de Lisboa (com trabalho destacado em arranjos e orquestrações para coro e orquestra, nomeadamente na vertente litúrgica).

Autor e compositor, logra alcançar, em 1993, o 1º lugar, no Festival de Lafões, organizado pelo famoso grupo de música popular Alafum,  e, no âmbio das tunas, vários temas seus constam dos CD, “Viseu Aqui Eu Te Canto” (1995), “Trovas Soltas “ (1998) e “Trilhos” (2011); sendo que outros,  de teor litúrgico, são interpretados por diversos coros (do país e do estrangeiro).

É membro registado da SPA – Sociedade Portuguesa de Autores.

Ao longo da sua vida académica, ocupou diversos cargos como dirigente associativo (Associação Académica, Pastoral do Ensino Superior e Federação Académica - em Viseu).

Também pela sua actividade tunante, foi galardoado com diversos prémios (atribuídos da AAV e pela UCP de Viseu), destacando-se o Prémio “Arte&Cultura” e o Prémio “Augusto Hilário” (ambos por 2 vezes, em 1998 e 1999), bem como, em 2020, ter recebido o de "Mérito Académico", além de ter sido nomeado Sócio Honorário da AAV.

Foi orador no II, III, IV, V, VI, VIII e IX ENT (Encontro Nacional de Tunos), bem como no II Congresso Ibero-Americano de Tunas (Múrcia 2014) e no II TUNx (Porto, 2016), além das suas diversas participações nas rubricas tuneris da PTunas TV ("Tunices" e "Tuna Portugal").

 Em 2009, recebe o prestigiado "Prémio Anim’Arte", atribuído pelo GICAV (Viseu).

 Autor do blogue "Além Tunas", é também administrador do grupo de facebook Tunas&Tunos, membro colaborador do Museo Internacional del Estudiante, antigo investigador colaborador da associação internacional TVNAE MVNDI e foi subdirector de informação do portal PortugalTunas, em 2011-2012.

Em 2013, junto com Ricardo Tavares, funda o Museu Fonográfico Tuneril, de que é actualmente responsável.

É membro do Comité Científico da Revista "Legajos de Tuna"desde 2017 (revista para a qual escreve diversos artigos sobre a Tuna portuguesa) e, em 2020, é-lhe conferido estatuto de  Membro Honorário da associação TUDI (Tunos Decanos de Iberoamérica), fazendo parte do seu Comité Científico Internacional.

Tem integrado diversos júris em certames por todo país, tem igualmente participado, como orador, em palestras sobre Tradições Académicas (organizadas por diversos grupos/instituições estudantis), área à qual estende o seu interesse e estudo (sendo autor do blogue "Notas&Melodias").

 

BIBLIOGRAFIA

- Co-autor do livro "Qvid Tvnae? A Tuna Estudantil em Portugal", primeira obra de investigação sobre Tunas, em Portugal, lançado em 2011;

- Autor do livro (monografia) "A Grande Tuna de Alfredo Mântua - Breve contributo Documental (1907-1913)", editado em 2018;

- Co-autor do livro "QVOT TVNAS? Censo de Tunas Académicas em Portugal (1983-2016)", editado em 2019;

- Autor do livro "A França das Estudiantinas, Francofonia de um fenómeno nos séc. XIX e XX", lançado em 2019;

- Autor da obra "A Tuna nas Trincheiras da Grande Guerra (1914-1918)", publicada em 2020.

Autor da obra "A Tuna Académica da Escola Politécnica de Lisboa - Vigência, actividade e protagonistas", publicada em 2021

 

 

 

 

Ângela Silva

Angela SilvaÂngela Silva - Soprano

Trajeto académico:

Nascida em Lagos, é licenciada em Canto pela Escola Superior de Música de Lisboa e frequentou o Trinity College of Music, em Londres, fazendo uma pós-graduação e uma pós- graduação avançada, na qualidade de bolseira daquele estabelecimento de ensino.

Ópera e oratória:

No domínio da ópera e oratória, cantou sop solo em Magnificat Talha Dourada de E. Carrapatoso (Teatro S. Jorge em Lx, Almada,  2013); “Mãe” em Kate e o Skate de J. Salgueiro (Teatro Ibérico, Lx, 2013); sop solo em Missa Brevis de Haydn (Setúbal, Out, Dez, 2011); sop solo em Cantata a Nossa Senhora da Conceição (digressão, 2011 a 2013); “Nossa Senhora”, em Fátima, Sinal de Esperança de A. Cartageno (première e digressão por Portugal em 2007 e 08); “Editora” em O Crepúsculo do Crítico de Miguel Faria (premiere em Guimarães, Abr e Jul, 2010); “Anjo Gabriel” em A Criação de Haydn (Estoril, Oeiras, Abr 2009); “Lauretta”/”Gherardino”, em Gianni Schicchi de Puccini (Londres, Jul 2006); “Primeira Bruxa”, em Dido and Aeneas de Purcell (Londres, Jul 2006); “Condessa”, em As Bodas de Fígaro de Mozart (Londres, Mar/Abr 2006); “Pamina”, em A Flauta Mágica de Mozart (Londres, Fev 2006); “Ninfa”, em Orfeo, de Monteverdi (Londres, Jul 2005); “Caíno”, em La Morte de Abel, Avondano (Lisboa, Alcobaça 2001/02); “Cientista”, em O Corvo Branco, Philip Glass (Lisboa, 1998). Apresentou-se, também, em excertos das óperas de Così fan tutte, Die Fledermaus, Semiramide, Der Rosenkavalier, Magic Flute, Mitridate, La Rondine, Roméo et Juliette, no Reino Unido, Espanha e Portugal.

Angela Silva - em palcoDiscografia:

Gravou recentemente para a Editora Numérica o cd Brumas (Dez 2009), em conjunto com o trompista Paulo Guerreiro e o pianista Francisco Sassetti, aí interpretando obras, maioritariamente inéditas de E. Carrapatoso, A. Rebello Neves, João Nascimento, V. Pearce de Azevedo e A. Victorino d´Almeida. Além disso, estreou mundialmente em concerto, obras de Anne Victorino d´Almeida e de Sérgio Azevedo. Sob a direção A. Cartageno, para além da Oratória acima referida, interveio como solista nos cd´s La musica portoghese antica e moderna nel panorama europeo (Roma, 2003), Ave Mundi Gloria (2010) e É Natal, Cristo Nasceu (2012). Apresenta-se regularmente como solista com coros portugueses e com orquestras portuguesas.

 Para a Sony Music, gravou como solista convidada, Alma Mater (2000), Pasión(2002, gravado ao vivo) e O Mundo (2006) e In Memoriam (2010) de Rodrigo Leão.

Tem cantado, como cantora solista, obras de diversos compositores (especialmente portugueses), na Antena 1, Antena 2, SIC, RTP e Rádio Renascença e tem-se apresentado como solista em concertos e recitais em Portugal, Espanha, Itália, Reino Unido, Grécia, Bélgica, França e Coreia.

Títulos conquistados:

Conta com dois troféus, cinco primeiros prémios e três segundos prémios conquistados em Inglaterra, destacando-se o “The pearl Butcher Cup” e o “Premier Challenge Cup”, conquistados em 2007 com obras dos compositores portugueses Armando José Fernandes e Francisco Ávila.

Ensino:

Atualmente leciona Canto no Conservatório de Lisboa.

Ligações

URL: www.angelasilva.com.pt/2014

Bruno Estima

Bruno Estima

PERCURSO ACADÉMICO

Bruno Estima iniciou os seus estudos musicais aos 7 anos com o Prof. Jorge Lee e a Prof. Joaquina Lee, entrando em 1991 para o Conservatório de Música de Aveiro em piano, onde concluiu o 4º grau em 1995, ingressando posteriormente na Escola Profissional de Música de Espinho em Percussão.

Em 1999, ingressa na Universidade de Aveiro na Licenciatura de Música (ensino de) Percussão, concluída em 2005.

Durante o seu percurso académico frequentou vários estágios de orquestra como:”Bracar Augusta 98′ e 99′; OEPM 98′ e 00′; Orq. da Escola de Música de Espinho; Jornadas da Nova Música-Aveiro 99′ e 01′.

Frequentou workshops orientados por Pedro Carneiro, Miguel Bernat, Arthur Lipner, Conny Kadia, Alexandre Frazão, Denis Riedenger, Oliver Pelegri e Philippe Spiesser.

Em Março de 2001 ganha a bolsa “Yamaha Scholarship Award 2001-Portugal”. E finalmente, como baterista do Chão Nosso obteve o 1º lugar no concurso ”Arena Rock Café” em 200 e o 3º lugar no concurso Rolland/SuperBock Music Challenge 2004.

Em 2007/2008 frequentou o Curso de Animadores Musicais da Casa da Música Porto.

Em 2008 frequentou o Curso de Teatro Amador da Companhia de Teatro Efémero – Aveiro.

PERCURSO PROFISSIONAL

Professor/Educador

Em 1999 inicia a prática pedagógica na Escola da Filarmónica União de Oliveira do Bairro; em 2000 passa a lecionar no ensino oficial no Conservatório de Música da JOBRA até 2010.
Em 2003 inicia a docência em percussão na Escola de Artes da Bairrada onde ainda continua. Em 2004 orientou workshops de percussão através do INATEL em Leiria, e em 2005 na Ilha do Pico e do Faial.
Desde o ano letivo 05/06  que é professor orientador dos estágios da Licenciatura de Percussão da Universidade de Aveiro.
Desde o ano letivo 09/10 que faz parte do Factor E do Serviço Educativo da Casa da Música – Porto, onde tem sido co-autor de workshops como “Postais do Portugal Sonoro”, “Missão Em-possivel”,  “Não! Sim! Som!”, “Inspector Ritmicais” e BebéGrigri, tendo também participado em vários projetos/concertos como “A Casa sobre Rodas”, “O que é o Gamelão” , “GugaguiGong” e “PerlimpimPUM”

Percussionista/Performer

Desde 1999 que faz reforço na Orquestra Filarmonia das Beiras; integrou a formação do grupo Interpercussão da Universidade de Aveiro de 1999 até 2005.

De 2000 a 20007 fez parte da banda pop Chão Nosso como baterista, com a qual gravou uma maqueta e o 1º álbum. 

Entre 2001 e 2005 fez parte do projeto Bach2Cage;

Em 2003 inicia um projeto pessoal Beat2beat (duo de percussão com António Bastos).

Em 2005 organizou o primeiro concurso de caixa nacional e no ano seguinte faz surgir o “tum-pa-tum-pa” que engloba o 2º concurso de caixa e o 1º de bateria.

Em 2007 cria em conjunto com mais 3 professores da Escola de Artes da Bairrada o projeto “Bolling Quartet”.

Em 2007 oficializa o projeto Crassh. Um trabalho contínuo com alunos, que abandonou as paredes da sala de aula.

Em 2010 integra a Orquestra de Gamelão da Casa da Música – Porto.

Com estes projetos já participou em performances em salas de espetáculos de Portugal, Espanha e França inseridos em festivais nacionais e internacionais e em performances televisivas.

Ao longo destes anos tem ainda integrado vários programas da Orquestra das Beiras, Orquestra Nacional do Porto e Orquestra Metropolitana de Lisboa.

Ligações

URL: www.brunoestima.com

URL: www.crassh.pt

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos