MMSocial
A+ A A-

Adolfo Luxúria Canibal

Adolfo Luxúria Canibal é o pseudónimo artístico de Adolfo Morais de Macedo, nascido em Dezembro de 1959 na cidade de Luanda, em Angola. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, exerceu a advocacia nesta cidade até 1999. É desde 1989 consultor jurídico na área da Conservação da Natureza. Na qualidade de especialista em Direito do Ambiente foi orador convidado em diversos congressos e seminários, portugueses e estrangeiros, e professor em cursos de formação, de pós-graduação e de mestrado. Integrou de 1993 a 1999 um Grupo de Peritos Jurídicos da Convenção de Berna, junto ao Conselho da Europa, em Estrasburgo.

Projetos

Fundador, vocalista e letrista dos grupos Auaufeiomau (1981/84) e Mão Morta (desde 1984), com quem gravou os álbuns Mão Morta (1988), Corações Felpudos (1990), O.D., Rainha do Rock & Crawl (1991), Mutantes S.21 (1992), Vénus Em Chamas (1994), Mão Morta Revisitada (1995), Müller no Hotel Hessischer Hof (1997), Há Já Muito Tempo Que Nesta Latrina o Ar Se Tornou Irrespirável (1998), Primavera de Destroços (2001), Carícias Malícias (2003), Nus (2004), Maldoror (2008), Rituais Transfigurados (2009), Pesadelo em Peluche (2010) e Pelo Meu Relógio São Horas de Matar (2014) e no âmbito dos quais concebeu espectáculos multimédia como Rococó, Faz o Galo (1983), Müller no Hotel Hessischer Hof (1997) ou Maldoror (2007). Participou ainda na concepção do musical Então Ficamos, para o encerramento da Capital Europeia da Cultura – Guimarães 2012 e da performance neuro/áudio/visual Câmara Neuronal, a partir dos sinais elétricos emitidos pelo cérebro, para o Festival Frame-Art (2012).

Criou também espetáculos de spoken word, nomeadamente Epístolas da Guerra para o Festival FalaDura (1999), Estilhaços para o Teatro do Campo Alegre (2004), Estilhaços de Cesariny para a Fundação Cupertino de Miranda (2010) e Estilhaços Cinemáticos para os Encontros de Cinema de Viana do Castelo (2013), que originaram a gravação dos álbuns Estilhaços (2006), Estilhaços e Cesariny (2011) e Estilhaços Cinemáticos (2014).

Participou ainda como ator em alguns filmes, como Gel Fatal (1996), Quem é o Pai do Menino Jesus? (2010) ou Escama de Peixe (2012), e na série para televisão O Dragão de Fumo (1998/99), tendo concebido com João Onofre o filme de videoarte S/título (мій голос), exibido no 19.º Festival Internacional de Cinema - Curtas de Vila do Conde (2011).

Colaborações e outras atividades

Colaborador convidado de dezenas de artistas, com quem participou em concertos ou na gravação de mais de 30 discos, integrou ainda, de 2000 a 2009, o coletivo francês de música eletrónica Mécanosphère, com quem gravou os álbuns Lobo Mau (2001), Mécanosphère (2003), Bailarina (2004) e Limp Shop (2006).

Autor de textos dispersos por jornais e revistas, como a Vértice ou a 365, foi, de 2000 a 2004, correspondente do jornal Blitz. Teve uma coluna de opinião no semanário O Independente (1999) e manteve crónicas regulares na Antena 3 (2001-04) e na revista Vidas (2008/10) do jornal Correio da Manhã. Tem desde Janeiro de 2011 uma rubrica mensal na revista Domingo do Correio da Manhã e desde Janeiro de 2014 uma crónica quinzenal no semanário Sol. Editou os livros de poesia Rock & Roll (1984), Estilhaços (2003) e Todas as Ruas do Mundo (2013), um Prefácio para uma edição portuguesa de Os Cantos de Maldoror, do Conde de Lautréamont (2004), e os ensaios Breve Nota Para Uma História do Parque Nacional da Peneda-Gerês, para o livro Parque Nacional da Peneda-Gerês – 40 Anos (2011), e A Natureza na Prosa de Valter Hugo Mãe, para o livro Falas da Terra no Século XXI – What Do We See Green? (2011). Editou ainda 33 Poesias (2008), um seleção de poemas de Vladimir Maiakovski que traduziu e prefaciou. Juntamente com Fernando Lemos concebeu o livro-objecto artístico Desenho Diacrónico (2011).

Foi também autor e locutor de programas de rádio, na Rádio Activa (Braga) e na RUT - Rádio Universidade Tejo (Lisboa), no tempo da pirataria radiofónica.

Em 2003 foi considerado uma das cinquenta personalidades vivas mais importantes da cultura portuguesa pelo semanário Expresso e em 2011 foi um dos 100 ex-alunos convidados pela Universidade de Lisboa para proferir uma palestra no âmbito das comemorações do seu centésimo aniversário.

Banda de Música de Antas - Esposende

A Banda de Música de Antas ocupou o 3º lugar no Iº Concurso de Bandas Filarmónicas do Distrito de Braga.

A primeira informação escrita sobre a existência de uma Banda de Música em Antas, é de 1871, o que pressupõe que terá nascido algum tempo antes. Era maioritariamente composta por músicos das freguesias de Antas e Belinho. Foi seu fundador o “mestre-músico” José Manuel Martins Franco (1832 – 1886) que, por volta do ano de 1883, a legou a seu sobrinho António Augusto Pereira de Barros (1850 – 1924). Este manteve a regência até 1894-95, altura em que uma divergência entre músicos deu origem à formação da Banda de Belinho. Novo diferendo viria a dar origem, em novembro de 1920, à formação da Banda Marcial de S. Paio de Antas. Foi seu fundador Manuel Rodrigues Laranjeira (1894 – 1978), ao tempo contramestre da referida Banda.

Nesses tempos difíceis, situados entre as duas grandes guerras, em que as dificuldades económicas se sobrepunham e se impunham aos sonhos dos grandes artistas, “Mestre Laranjeira”, como passou a ser conhecido, não regateava doação e afinco à causa da Banda nascente. Com o objetivo de lhe dar projeção, e após acordo com a direção da corporação e comando dos bombeiros do concelho, em 1925 a filarmónica adotou o nome de Banda dos Bombeiros Voluntários de Esposende.

Mestre Laranjeira era a vida da Banda e a Banda era a sua vida. Foram inumeráveis e inesquecíveis os êxitos musicais que obteve durante mais de 55 anos de regência. Faleceu em 19 de Janeiro de 1978 e com ele morreu também a sua Banda.

Passados 5 anos de inatividade, Anselmo Saleiro Viana, presidente da Assembleia de Freguesia de Antas, propõe-se apoiar a sua reestruturação e relançamento. Um grupo de 18 antigos músicos volta a tocar, a 2 de outubro de 1983, na inauguração do campo desportivo António Correia de Oliveira. Nesse momento, Junta e Assembleia de Freguesia decidem reerguer a Banda, contando com a forte ajuda dos naturais e empresas de Antas, a que se juntaram outras de freguesias vizinhas. Mais uma vez a corporação dos bombeiros deu o seu apoio. Em 26 de Janeiro de 1984, por escritura notarial, ficou registada a Associação Banda dos Bombeiros Voluntários de Esposende – S. Paio de Antas.

Foi seu primeiro regente o prestimoso maestro Leonardo Vieira. A partir de 1989 e até 2012 passou a ser artisticamente dirigida pelo maestro Valdemar Sequeira, notável compositor destacado entre os seus pares.

 Atualmente o diretor artístico e maestro da Banda é o jovem promissor Diogo Costa, que com o seu profissionalismo, competência e dedicação dos músicos, continuará a levar a Banda à ribalta da sua longa história.

Hoje tem uma sede de real gabarito, construída com a ajuda da Câmara Municipal de Esposende, onde funciona uma escola de música de excelência, repleta de alunos interessados e dinamizada por uma excelente equipa de professores. Desta escola nasceu a Orquestra de Sopros ABBVE, que participa em diversos eventos culturais e é a promissora garantia de que à Banda de Antas não vai faltar a frescura e a revitalização contínua de novos músicos.

Jorge Manuel da Cruz Torres Neiva, atual presidente da Direção, vem na sequência de um elenco de dinamizadores, iniciado com Manuel Alves Meira da Cruz e prosseguido por Manuel Augusto Saleiro da Cruz, Alberto Meira de Barros, Alcino Viana Neiva, António Viana da Cruz, Manuel José Sampaio Viana e José Mário Saleiro de Meira Torres. Cada um, a seu tempo, foi guiando esta associação musical que, por mérito próprio e pela qualidade atingida na arte dos sons, chegou aos píncaros da fama entre as congéneres em Portugal.

Em 19 de Agosto de 2014, foi condecorada com a medalha de Mérito Cultural, pelo Município de Esposende.

A Banda dos Bombeiros Voluntários de Esposende, Antas, conta já com cinco gravações de C.D. e dois DVDs. Em 2011 editou o livro monográfico “Banda de Música de Antas – 140 anos de História” da autoria de Raul de Azevedo Saleiro, que é uma referência para as Bandas que existem ou existiram na região. Com cerca de 25 a 30 concertos anuais, lado a lado com as melhores bandas do país, conta no seu currículo com várias atuações além-fronteiras, nomeadamente em terras de França e Espanha.

 

Maestro

Diogo CostaDiogo Costa

Nasce em 1989 na cidade de Esposende, iniciou os seus estudos musicais com 9 anos de idade na Banda de Música de Antas na qual se integrou em 2002. Nesse mesmo ano, ingressou na Escola Profissional de Música de Viana do Castelo, na classe de trombone com o professor Fernando Baptista e, mais tarde, com o professor Gonçalo Dias, terminando o Curso de Instrumentista em 2007. Prosseguiu a sua formação na Escola Superior de Música de Lisboa, na classe de trombone com o professor Ismael Santos.

Ao longo da sua formação académica, frequentou Master Classes de Trombone com Ricardo Casero, Jarret Butler, Hugo Assunção, Petur Eiriksson, Alberto Urretxo Zubillaga, Severo Martinez, Jon Etterbeek, Jörgen van Rijen e Master Classes de Música de Câmara com Spanish Brass, Olga Prats e Pierre Dutot.

Tem colaborado, regularmente, com inúmeras orquestras tais como: Orquestra Clássica da Madeira, Orquestra de Câmara Cascais Oeiras, Banda Sinfónica Portuguesa, Orquestra Momentum Perpétum, Orquestra Académica Metropolitana de Lisboa, Lisbon Film Orchestra, West European Studio Orchestra e respetivas orquestras das escolas que frequentou.

Na área do Jazz, tem tocado com alguns dos grandes nomes da atualidade tais como Benny Golson, Perico Sambeat, John Ellis entre outros. Em Lisboa, toca regularmente, com a Orquestra de Jazz do Hot Clube de Portugal, a Claus Nymark Big Band e a Reunion Big Jazz Band com a qual gravou, em 2011, o primeiro álbum “Ouija”.

No campo da direção de orquestra, tem feito Master Classes com Filipe Carvalheiro, Luís Vila, Rafa Agulló Albors, Laurence Marks, José Rafael Pascual Vilaplana, Jean-Sébastien Béreau, Douglas Bostock e Emilio Pomarico. Como maestro convidado, dirigiu a Orquestra do Algarve – Orquestra Clássica do Sul, a Orquestra Académica Metropolitana de Lisboa, a West European Studio Orchestra, a Orquestra Sinfónica da Escola Profissional de Música de Viana do Castelo e a Orquestra de Cordas dos alunos da Casa Pia de Lisboa (Colégios Nuno Álvares Pereira e D. Maria Pia – Lisboa)

Em maio de 2013, foi admitido no Conducting Weekend organizado pelo Royal Northern College of Music de Manchester, em Inglaterra, onde trabalhou com alguns dos mais conceituados professores de direção a nível Europeu, tais como Johannes Schlaefli, professor da Universidade de Artes de Zurique, Mark Heron e Clark Rundell professores do RNCM de Manchester.

Em dezembro de 2013, participou, como maestro assistente do maestro Boris Gruzin, na produção do bailado “Cinderela” de S. Prokofiev com a Orquestra Sinfónica Portuguesa e a Companhia Nacional de Bailado.

Diogo Costa é licenciado em Direção de Orquestra pela Academia Nacional Superior de Orquestra da Metropolitana, na qual estudou com o conceituado pedagogo Jean-Marc Burfin e é, desde outubro de 2012, diretor musical e artístico da Banda de Música de Antas.

 

Contactos

Rua de Alvre, 16 - 4740-013 Antas EPS
Contactos telefónicos: Móvel:  969 043 867 |Fixo: 253 877 161
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. |Sitio na Web: www.bandamusicadeantas.com

 

Banda Filarmónica de Amares

A Banda de Amares assumiu o 2º lugar no I Concurso de Bandas Filarmónicas do Distrito de Braga.

A Banda Filarmónica de Amares, cuja fundação remonta a 1853, é actualmente constituída por 60 elementos estando a direcção artística entregue ao maestro Ângelo Fernandes.

A secular instituição apresenta hoje uma jovialidade e uma ambição artística ímpar bem patente nas diversas iniciativas que promove, entres as quais se destacam os inúmeros concertos em diversas localidades do país. O reconhecimento por parte da Câmara Municipal de Amares do seu valor artístico e social através da atribuição da Medalha de Mérito Cultural veio prestigiar ainda mais o vasto currículo desta instituição.

A evidente evolução da banda nos últimos anos baseada na formação e qualificação dos seus elementos foi coroada internacionalmente em Outubro de 2006, no VII Concurso Internacional de Bandas de Música em Malgrat del Mar (Barcelona), onde arrecadou o 2º prémio em termos colectivos e o prémio para melhor instrumentista. Num certame no qual concorreram 19 bandas de vários países europeus, a Banda Filarmónica de Amares motivou rasgados elogios da crítica internacional pelo seu Virtuosismo, Musicalidade e Magistral Som.

Em Abril de 2007, deslocou-se a Roma – Itália para participar no conceituado concurso internacional “La Bacchetta d’Oro” vencendo brilhantemente todos os prémios para os quais concorreu: 1º lugar em 1ª categoria, melhor maestro (Vitor Hugo Matos), melhor interpretação da obra obrigatória do concurso e ainda o “Trofeo Unione Musicale Ciociara” a coroar a banda com a maior classificação em todas as categorias (95.07%), aliás a mais alta classificação alguma vez atribuída em dez anos de concurso sendo por isso caracterizada pela imprensa italiana como “la bravísima banda portoghese”.

Em Junho de 2007 foi dirigida pelo conceituado maestro americano William Malambri, professor da Universidade de Winthrop – U.S.A.

Por tudo isto, é hoje firme convicção e dever da instituição continuar a aposta numa política de sustentabilidade, formação e qualidade baseada em elevados padrões de exigência, conferindo à Banda Filarmónica de Amares um elevado nível de profissionalismo e excelência, assumindo-se hoje como uma referência incontornável no panorama filarmónico português.

 

Maestro

Maestro Angelo Fernandes Angelo Fernandes

Ângelo Alberto Pereira Fernandes nasceu a 27 de Agosto de 1985, em Guimarães.

Iniciou os seus estudos musicais na Sociedade Musical de Pevidém, sob a orientação do Sr. Domingos Fernandes, e mais tarde integra a Banda Musical de Pevidém sob a direção do professor Francisco Ribeiro.

Em 1997 ingressou na Escola Profissional e Artística do Vale do Ave (ARTAVE), na classe de trompete, sob a orientação do professor Paulo Silva. Nesse mesmo ano integra a Orquestra Artavinhos sob a direção do professor Jaroslav Mikus, Francisco Ribeiro, Alexandre Samardjiev e Paulo Silva.

Em 1999 participou no primeiro concurso de Castelo de Paiva, onde obteve o terceiro prémio.

Nesse mesmo ano integra a Orquestra de Sopros ARTAVE dirigida pelo professor Kevin Wauldron, e mais tarde pelo professor Paulo Silva, e a Orquestra Sinfónica ARTAVE dirigida pelo Maestro António Soares, e mais tarde pelo maestro Roberto Perez. Nessa mesma orquestra já trabalhou com os seguintes maestros: Ernest Shelle, Emílio de César, Christoph Millet, António Saiote e Cesário Costa.

Em 2001 integra a Banda dos Bombeiros Voluntários de Amares dirigida pelo professor Vítor Matos.

Em 2003 finaliza o Curso Instrumentista de Sopro com a classificação de dezassete valores a trompete.

Nesse mesmo ano ingressa na Escola Superior de Música das Artes e do Espetáculo (ESMAE), na classe de trompete, sob a orientação do professor Kevin Wauldron. Também integrando a Orquestra Sinfonieta, dirigida pelo maestro António

Saiote. Nessa mesma orquestra já trabalhou com o maestro Cesário Costa e o maestro Ian Couver

Já participou em estágios de orquestras tais como, Orquestra dos Templários, dirigida pelo maestro Octávio Aroucas, e Orquestra Sinfónica Minho – Galaica, dirigida pelo professor Lourenço Cruz.

Desde 1998 a 2006 que participa nos Jovens Músicos de Guimarães com solista, e por vezes com executante da Orquestra de Sopros da Academia de Música Valentim Moreira de Sá, dirigida pelo professor Vítor Matos.

Já participou em cursos de aperfeiçoamento musical com trompetistas muito conceituados mundialmente, tais como: Steve Mason, André Henry, Eric Aubier, Pierre

Dutot, Fernando Ray Garcia, Hakan Hardenberger, Luís Gonzales e John Aigi.

Em 2005 e convidado para representar Portugal na Alemanha (Estugarda), pelo grupo dos LYONS. Nesse mesmo ano também e convidado para executar como reforço na Orquestra Sinfónica de S. Carlos.

Em 2006 participa na conferência de trompetistas (International Trumpets Guild) realizada em Filadélfia (UEA) e no concurso realizado pela mesma, onde obteve o terceiro prémio.

Foi membro fundador da Orquestra de Câmara do Minho sob a direção do maestro Vítor Matos.

Em 2007 é convidado para executar como reforço na Orquestra Nacional do Porto e na Orquestra do Norte.

Em 2008 até Dezembro de 2009 foi primeiro trompete solista da Orquestra do Norte (Associação Norte Cultural), tocando a solo com a mesma.

Nesse mesmo ano finaliza a Licenciatura Bietápica na Escola Superior de Música das Artes do Espetáculo (ESMAE) com dezoito valores a trompete.

Leccionou aulas de trompete na Academia de Música de Paredes; 2008 a 2013.

Frequenta o segundo ano de mestrado (via ensino) no Instituto Piaget de Viseu.

Em 2013 participa como orientador do naipe de trompetes no estágio Encontro Nacional de Jovens Músicos, (ENJM).

Atualmente Lecciona aulas de trompete e classe de conjunto na Academia de Música Valentim Moreira de Sá, é primeiro trompete solista na nova Orquestra de Guimarães e é o diretor artístico da Banda Filarmónica de Amares onde tem desenvolvido um trabalho de solidificação e elevação do nível artístico da mesma.

 

Contactos:

Rua Sá de Miranda, Nº 24
4720 – 351 Amares
TM: 933922399 | 936805477
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Sítio na Web: www.bandadeamares.pt

 

MÃO MORTA

Os Mão Morta formaram-se em Braga em Novembro de 1984, estreando-se ao vivo em Janeiro do ano seguinte no Orfeão da Foz, no Porto. Depois de em 1986 ganharem o Prémio de Originalidade no III Concurso de Música Moderna do RRV, em Lisboa, editam o seu primeiro álbum, homónimo, em 1988. Aplaudidos pela imprensa musical e com uma crescente legião de fãs, rapidamente se tornam um grupo de culto, colhendo rasgados elogios de personalidades tão diversas como Nick Cave ou Jello Biafra (Dead Kennedys). Com uma discografia de doze álbuns de originais (a que se juntam registos ao vivo e compilações) – grande parte deles reiteradamente incluídos nas listas dos melhores do ano ou de sempre da música portuguesa –, com várias participações nos grandes eventos musicais do país (como Paredes de Coura, Alive, Rock in Rio ou Primavera Sound), com uma forte aposta na realização de espetáculos multimédia singulares – de que se destacam “Müller no Hotel Hessischer Hof”, estreado no Centro Cultural de Belém em 1997, ou “Maldoror”, estreado no Theatro Circo de Braga em 2007 – e com algumas incursões por Espanha, França, Itália ou Brasil, os Mão Morta, ao longo das últimas três décadas, souberam como ninguém aliar a música à literatura (trazendo à ribalta escritores e poetas como Heiner Müller, Guy Debord, Allen Ginsberg, Isidore Ducasse ou J. G. Ballard) e têm tido sempre uma palavra a dizer quanto ao rumo do rock feito em Portugal.

Clique para ler a biografia completa

Formação
      

Adolfo Luxúria Canibal

Vocalista e letrista

Miguel Pedro

Baterista, programador, compositor e produtor

António Rafael

Teclista, guitarrista, compositor e produtor

Sapo

Guitarrista

Vasco Vaz

Guitarrista e compositor

Joana Longobardi

Baixista

Discografia
1988 - "Mão Morta" 1990 - "Corações Felpudos" 1991 - "O.D., Rainha do Rock & Crawl" 1992 - "Mutantes S.21" 1994 - "Vénus em Chamas" 1995 - "Mão Morta Revisitada" 1997 - "Müller no Hotel Hessischer Hof" 1998 - "Há Já Muito Tempo Que Nesta Latrina o Ar Se Tornou Irrespirável"
2001 - "Primavera de Destroços" 2002 - "Ao Vivo na Aula Magna" 2003 - "Carícias Malícias" 2004 - "Nus" 2008 - "Maldoror" 2009 - "Rituais Transfigurados" 2009 - "Mão Morta 1988-1992" 2010 - "Pesadelo em Peluche"
             
2014 - "Pelo Meu Relógio São Horas de Matar"              

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos