MMSocial
A+ A A-

The Casino Royal

The Casino RoyalThe Casino Royal

Imagine-se nos jardins de um qualquer casino no mundo, em plena noite quente de Verão, onde a luz da lua e do jogo se misturam… um personagem num guião semelhante ao de um dos vários filmes de James Bond… ao fundo, ouve-se uma orquestra e o groove de sons combinados com uma clara e extraordinária voz feminina… irreverente, sexy ou melancólica a verdade é que se sente transportado para Hollywood nos anos 50s e 60s. Essa requintada e perfeita banda sonora tem um nome – “The Casino Royal”.

A música de "The Casino Royal", é uma mistura de fado, ritmos electrónicos e humores, servidos “à la James Bond”.

“Life is waiting for you” é o terceiro álbum desta reconhecidas banda nacional e além-fronteiras.

“Life is waiting for you” o primeiro single deste álbum, começa com um riff de piano. A convidada especial é Sílvia Rizzo, à qual se junta o Coimbra Gospel Choir no refrão, enfatizando o caracter festivo de um tema cuja missão é a celebração da vida!! A bridge enfatiza o lado mais cinematográfico e faz a ponte com a matriz dos TCR - Spy Sound à lá John Barry…

Segue-se My Guys You And I” com o seu refrão onde os ditongos Bum Bum Bum... nos remetem para os balões de banda desenhada quando alguma personagem resolve usar uma pistola…

Casino RoyalMas chegou o momento de preservar o mistério de um álbum há muito esperado, que será lançado em Portugal com o apoio da Antena 1.

A banda composta por Pedro Janela (composição, produção, teclado), Mafalda Portela (voz), Mauro Ribeiro (guitarra), Ricardo Ribeiro (percussão) e Miguel Duarte (baixo), é influenciada fortemente pelo " Easy-Listening " e pode a partir de dia 13 de Outubro ser ouvida na Antena 1.

Podemos desde já garantir-lhe, que nunca se sentiu um personagem de “um filme” assim!

Antena 1

Ligações:Paula Cordeiro  Up Music Talents

 The Casino Royal Showcase

 www.facebook.com/TheCasinoRoyalBand

Banda Musical de Calvos

A Banda Musical de Calvos foi a primeira banda a tomar presença no I Concurso de Bandas Filarmónicas do Distrito de Braga, realizado nos dias 6 e 7 de dezembro de 2014. Veja aqui um excerto da sua apresentação.

A Banda Musical de Calvos “ é muito antiga”. Segundo o livro “ Bandas de Música do Concelho da Póvoa de Lanhoso – subsídios para a sua história”, do professor José Bento da Silva, um apaixonado pela história de Calvos, sua terra natal, a Banda de Calvos foi, possivelmente criada na primeira metade do século XIX, entre 1830 e 1850.

O escritor Camilo Castelo Branco, no romance “ A Brasileira de Prazins”, faz referência à existência de músicos “ … na freguesia de Calvos havia comédias nos três dias de Entrudo … O Veríssimo dera três passos para acender um cigarro no de ummúsico que estava sentado num bombo.” Também no romance “Maria da Fonte”, do mesmo autor, a referência à Banda de Calvos é bem clara “ …No dia seguinte, convergiram às Chãs….. a música de Calvos a bufar o Rei Chegou…”

Em 1846, os registos de nascimento fazem referência à profissão de músico de alguns progenitores, comprovando a longevidade desta Banda.

Também conhecida no passado por Banda de Nasce e dos Bravos (pela sua persistência) formou gerações de músicos.

Em 1973 tem um desaparecimento fugaz e reorganiza-se em 1978, dando continuidade à formação de músicos.

A 15 de Maio de 1992, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso atribuiu-lhe a Medalha de Honra – Grau Ouro, momento em que a Banda comemorava os 150 anos da sua existência, tendo escolhido o dia 10 de Junho para essa efeméride.

Atualmente a Banda Musical de Calvos é composta, maioritariamente por elementos da freguesia de Calvos e orgulhosamente dirigida pelo maestro Justino Costa, também este filho da terra.

Esta Banda interpreta um vasto repertório, participando em numerosos concertos, festas religiosas e festivais de Bandas.

A Banda Musical de Calvos mantém o objectivo de formar músicos, através da sua escola sempre em funcionamento, com seis professores, contando atualmente com cerca de 30 alunos, na sua maioria, habitantes da freguesia, com os quais forma a orquestra da escola da Banda Musical de Calvos.

 

Maestro

 Maestro Artur Oliveira
Artur Miguel Lemos Oliveira nasceu a 27 de Fevereiro de 1983, em Calvos, Póvoa de Lanhoso. Iniciou os seus estudos musicais na Banda Musical de Calvos aos 8 anos. Em 1997 ingressou na Academia de Música Valentim Moreira de Sá na Classe de Trompete do professor Vasco Faria, terminando o 8º grau em 2009 com 18 valores.

Nesta, fez parte do Ensemble de Trompetes e mais tarde do Quinteto de Metais. Simultaneamente, ainda nesta mesma Academia foi executante da Orquestra de Sopros sob a direção do professor Vítor Matos, na qual fez vários concertos em Guimarães, Lisboa e Espanha. Em 2001 apresentou-se pela primeira vez a solo com esta mesma orquestra. Obteve em 2011 o diploma de Licenciatura em Música, variante performativa (Trompete), na Universidade do Minho, onde estudou com os professores Vasco Faria e Pierre Dutot. Durante o percurso académico frequentou vários Master Classes com os Professores Vasco Faria, Steven Mason, John Aigi Hurn, Kevin Wauldron e Pierre Dutot. Teve oportunidade de trabalhar com os maestros Vítor Matos, Pedro Neves, Toby Hofman, Jean Marc Burfin, Francois Benda, Luís Machado, entre outros.

Colabora com a Orquestra Académica da Universidade do Minho, Orquestra do Minho, Orquestra do Norte e Orquestra Bomfim. Leciona desde 2009 na Companhia da Música (Braga) as disciplinas de Trompete e Orquestra de Sopros, acumulando em simultâneo o cargo de coordenador do departamento de classes de conjunto.

Na Academia de Música Valentim Moreira de Sá (Polo de Vieira do Minho) leciona desde 2011 as disciplinas de Trompete e Orquestra de Sopros. No ano de 2013 a convite da Federação de Bandas do Minho participou como orientador de naipe (Trompete) no estágio de Orquestra de Sopros, organizado pela mesma. Entre 2013 e 2014 foi diretor artístico da Sociedade Filarmónica de Vilar Chão (Vieira do Minho). Recentemente tem participado em cursos de aperfeiçoamento na área de direção de orquestra, destacando-se o último com o maestro Jean Marc Burfin. Em novembro 2015 terminou o Mestrado em Ensino de Música com Profissionalização, ministrado pela Universidade do Minho.

Desde outubro 2015 é diretor artístico da Banda Musical de Calvos, (Póvoa de Lanhoso).

 

Contactos

Rua do Picoto, Nr. 100 – S. Gens de Calvos | 4830 – 073 Povoa de Lanhoso
Telefone: 966201399 João Lopes (Presidente) / 927420545 Jorge Carvalho (tesoureiro)
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

MÃO MORTA

Os Mão Morta formaram-se em Braga em Novembro de 1984, estreando-se ao vivo em Janeiro do ano seguinte no Orfeão da Foz, no Porto. Depois de em 1986 ganharem o Prémio de Originalidade no III Concurso de Música Moderna do RRV, em Lisboa, editam o seu primeiro álbum, homónimo, em 1988. Aplaudidos pela imprensa musical e com uma crescente legião de fãs, rapidamente se tornam um grupo de culto, colhendo rasgados elogios de personalidades tão diversas como Nick Cave ou Jello Biafra (Dead Kennedys). Com uma discografia de doze álbuns de originais (a que se juntam registos ao vivo e compilações) – grande parte deles reiteradamente incluídos nas listas dos melhores do ano ou de sempre da música portuguesa –, com várias participações nos grandes eventos musicais do país (como Paredes de Coura, Alive, Rock in Rio ou Primavera Sound), com uma forte aposta na realização de espetáculos multimédia singulares – de que se destacam “Müller no Hotel Hessischer Hof”, estreado no Centro Cultural de Belém em 1997, ou “Maldoror”, estreado no Theatro Circo de Braga em 2007 – e com algumas incursões por Espanha, França, Itália ou Brasil, os Mão Morta, ao longo das últimas três décadas, souberam como ninguém aliar a música à literatura (trazendo à ribalta escritores e poetas como Heiner Müller, Guy Debord, Allen Ginsberg, Isidore Ducasse ou J. G. Ballard) e têm tido sempre uma palavra a dizer quanto ao rumo do rock feito em Portugal.

Clique para ler a biografia completa

Formação
      

Adolfo Luxúria Canibal

Vocalista e letrista

Miguel Pedro

Baterista, programador, compositor e produtor

António Rafael

Teclista, guitarrista, compositor e produtor

Sapo

Guitarrista

Vasco Vaz

Guitarrista e compositor

Joana Longobardi

Baixista

Discografia
1988 - "Mão Morta" 1990 - "Corações Felpudos" 1991 - "O.D., Rainha do Rock & Crawl" 1992 - "Mutantes S.21" 1994 - "Vénus em Chamas" 1995 - "Mão Morta Revisitada" 1997 - "Müller no Hotel Hessischer Hof" 1998 - "Há Já Muito Tempo Que Nesta Latrina o Ar Se Tornou Irrespirável"
2001 - "Primavera de Destroços" 2002 - "Ao Vivo na Aula Magna" 2003 - "Carícias Malícias" 2004 - "Nus" 2008 - "Maldoror" 2009 - "Rituais Transfigurados" 2009 - "Mão Morta 1988-1992" 2010 - "Pesadelo em Peluche"
             
2014 - "Pelo Meu Relógio São Horas de Matar"              

Os Sinos da Sé

Os Sinos da SéA Associação cultural e festiva "OS SINOS DA SÉ" assumiu a história do Grupo Folclórico de Professores de Braga, fundado ao ano letivo de 1978/79 na escola Francisco Sanches, com a finalidade de desenvolver unidades de estudo e recreio no âmbito das manifestações musicais e coreográficas que configuram aspetos da cultura popular minhota. Por força das suas intervenções continuadas em múltiplas situações de solicitação e contrato, privilegiando sempre as ligadas aos fins da educação e do convívio, mas também em romarias, festivais e espetáculos específicos, esta associação, sob o formato instalado de Grupo Folclórico, tem vindo a alargar os seus objetivos de pesquisa e de retoma, assumindo também, sem hesitação, os caminhos da criação. Os seus projetos nas diversas vertentes inspiram-se musical e culturalmente na vivência urbana e rural, por parte das populações, dos usos, costumes e tradições no seu quotidiano agrícola, de trabalho e celebração, quer profano, quer religioso. Os trabalhos rurais, mas particularmente as celebrações festivas integradas no calendário da vida das comunidades, particularmente o calendário litúrgico, de onde se destacam as festas ao padroeiro, as celebrações do Natal e dos Reis e outras, são os tempos e os locais que o grupo invoca, comemora e reproduz. Mas também se concebem e realizam projetos culturais que visam a memória musical e coreográfica de acontecimentos passados, ou seja, o grupo investiga e reproduz temas ilustrativos de momentos importantes na vida social portuguesa: as invasões francesas, a proclamação da República, por exemplo. Esta Associação gravou já quatro trabalhos: Cantemos o S. João, Nas Voltas do Vinho, Queremos dar-Te Graças (CD e DVD) e Santos Reis, Santos Coroados. Está em preparação um novo trabalho Cantar Sá de Miranda, com temas originais de inspiração folclórica.

Os Sinos da Sé em Viana

Repertório do Festival Internacional de Folclore de Braga 2007

O repertório que esta associação mobiliza para as suas atividades resulta quer de recolhas junto das populações e dos grupos, quer da reinterpretação das fontes, quer da própria criação dos seus elementos constituintes, dentro de um quadro de referências provenientes da tradição.

- A primeira dança, que servirá de oportunidade para a apresentação e estenderete dos elementos componentes, tem como suporte musical uma caninha verde aprendida junto do senhor Catarino, homem recentemente falecido e que foi tocador de concertina em grupos e tocatas do concelho de Barcelos, nomeadamente no de Aldreu. A esta caninha verde juntou o Grupo uma letra com exposição dos objectivos da festa, que é interpretada por uma voz masculina e por uma feminina, em jeito e estilo de improviso calculado. A coreografia é própria das canas verdes, danças que concretizam uma celebração de amizade e de boas relações sociais, com uma estilização da figura dos oitos que é simbólica desse espírito de entrelaçamento que faz a comunidade – Cana Verde de entrada.

- A segunda dança foi aprendida de ouvido junto da D. Maria, uma senhora idosa do Lar de S. José desta cidade, recordação dos seus tempos de jornaleira em Porto de Ave, quando a dança no terreiro, pertinho da Igreja, constituía uma oportunidade de convívio e de conhecimentos, com vigilância aliviada. Trata-se de um vira de roda, com o divertimento das duas voltinhas e do rodopio entre os pares - Alargai-vos, raparigas, que o terreiro é estreito.

- A terceira dança constitui uma invenção para os bailes à Senhora do Sameiro que ocorreram no ano do Centenário da Coroação da mesma, em 2004 e cuja organização esteve a cargo de elementos desta Associação. Mas invenção não quer dizer arbitrariedade, antes espelha o trabalho de recolha dos elementos que tipificam os malhões enquanto coreografia de celebração efusiva de um acontecimento relevante, seja ele a malhada, a vindimada ou o simples baile numa qualquer festa ainda realizada neste torrão minhoto. O Malhão do Sameiro reúne letras de inspiração laudatória à Senhora, combinando-as com um estribilho instrumental que propicia os volteios entre os pares, o vai de roda e as idas e vindas ao centro.

- Finalmente a Tocata interpretará um vira de inspiração amorosa para divertimento geral, podendo os pares que assim o desejarem subir ao palco para exibirem os seus dotes e jeitos de dançar. Ó meu amor, anda, anda – vira geral. 

 

Apoios Bobina Studio

Facebook Música e Músicos
Canal Youtube - Música e Músicos